Asia

CLEVERSON

CLEVERSON

Africa

Soundslides

Events

Espaço Mulher

Tempo de Refletir



“... portanto, ele é primeiro em tudo” (Colossenses 1.18, NVT).

A campainha da porta soou com insistência. Minha esposa abriu e ficou surpresa com nossa neta Daniela, de oito anos de idade, que falou muito excitada: “Imagine, vovó, eu tirei nota 10 em alemão. Foi o melhor trabalho da turma. A professora até leu a minha redação para toda a sala”.

Cada pessoa se alegra quando seu esforço é premiado com reconhecimento. No entanto, nos abala terrivelmente quando houve um esforço sincero e o sucesso fica empacado feito um burro teimoso. Eu penso que os cristãos deveriam verificar se nossos esforços, ambições, desgastes e correrias realmente valem a pena, tendo em vista a eternidade. Pode acontecer
facilmente que nos descuidamos da nossa verdadeira vida porque as coisas terrenas são tão “valiosas” para nós que não notamos que fomos atrelados à carroça errada.

Quais são as prioridades para um cristão?

Quando eu era um cristão ainda jovem, eu ficava de joelhos durante horas, clamando ao Senhor Jesus para que ele me mostrasse o caminho para uma vida frutífera. Eu sentia que havia alguém diante do meu coração que reivindicava total direito sobre a minha vida. Eu sabia que se eu realmente quisesse viver feliz e sob a bênção dele, valeria uma única condição imposta pelo Senhor: “Permita que, em tudo, eu ocupe o primeiro lugar em sua vida!”.

As muitas questões em nossa vida serão respondidas corretamente se nós, filhos de Deus, estivermos conscientes com quem estamos lidando. Ali está o Senhor crucificado e ressurreto diante de nós, e pergunta: “Posso ser o primeiro em todas as coisas da sua vida? Posso ser isso?”.

Nossa vida é conduzida ao alto nível determinado por Deus somente se o coroarmos como o primeiro em nossa vida.

É de tirar o fôlego: ele, a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, no qual foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis – tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de tudo e tudo subsiste por meio dele. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito entre os mortos. Ele é o primeiro em tudo.

O mundo aspira por independência, autoafirmação, autopromoção. Não há limites para a busca de valorização. O que, porém, acontece com os cristãos? Nós de fato preparamos o primeiro lugar para o Senhor em todas as coisas? Ele é o primeiro em todo lugar? Ele pode assumir a direção em tudo?

Há uma guerra em andamento entre a luz e as trevas. Em nossos dias os bandos de Satanás procuram, com toda a violência, contestar o lugar de honra dado ao Senhor Jesus. A igreja de Laodiceia (ver Apocalipse 3.14-22) era de fato uma igreja totalmente organizada, exitosa, consciente e independente. No entanto, o Primeiro – o seu Senhor – estava lá fora, diante da porta.

Onde ele se encontra em nossa vida? Como acontece a nossa vida diária? Ficamos sobrecarregados com milhares de preocupações. Agimos como se nós mesmos tivéssemos que solucionar todos os problemas. Martirizamos nossa alma ao invés de permitir que o Primeiro em tudo assuma “a lança da nossa miserável carroça”. Seria muito mais simples entregar a ele os nossos pacotes de preocupações. Confiar no direcionamento dele. Ah, como seria bom se não ficássemos constantemente atrapalhando a obra de nosso Senhor Jesus! Nós, os espertos. Teimosos. Autossustentados. Lastimáveis. Quanto orgulho há escondido em nosso coração!

Afinal, ainda sabemos com quem estamos lidando quando falamos da glória de nosso Senhor Jesus e de sua salvação? Até parece que temos medo em dar a ele a primazia em todas as coisas. Como se tivéssemos medo das consequências. No entanto, nossa vida é conduzida ao alto nível determinado por Deus somente se o coroarmos como o primeiro em nossa vida. É unicamente nisso que está a fonte da alegria e da felicidade. Pois “aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele” (1Coríntios 6.17).

Essa paz interior, esse abrigo total em seu Deus, foi sentida também por Davi, no deserto de Judá. Que gloriosas experiências são transmitidas no Salmo 63! Ele deu a preferência ao seu Senhor. Permitiu que ele assumisse a direção da sua vida. Entregou a ele tudo o que importunava o seu coração. E como Deus abençoou o seu servo Davi!

Se ele for o primeiro em tudo, então ser discípulo não é um tormento, mas um privilégio.

Nosso medo é que a entrega total nos traga somente desvantagens. Essa mentira, porém, é originada no estojo de venenos do Diabo. Ele quer nos convencer de que os fiéis seguidores de Jesus sofrerão com toda a amargura e acidez da vida. Na verdade, é o contrário que acontece. Se ele for o primeiro em todas as questões da vida, teríamos um panorama totalmente diferente na igreja, no casamento, na família, bem como em nossos negócios do dia a dia.

Sim, é verdade: um cristão pela metade é um insensato por inteiro. Por isso, entregue-se confiadamente ao Senhor Jesus. Se ele for o primeiro em tudo, então ser discípulo não é um tormento, mas um privilégio. Se ele for o primeiro em tudo, então ele já estará lá antes de você chegar. Então ele já tomou as providências necessárias – como naquela ocasião com os discípulos junto ao mar da Galileia, quando eles recolhiam exaustos as suas redes. Ele já havia preparado a mesa para eles e os convidou: “Venham comer” (João 21.12).

Que Senhor maravilhoso, que conhece todas as suas necessidades e que também reservou um lugar para você em sua mesa! — Manfred Paul

Phonte: A Chamada

Por Redação RadioJovem


Pastor Augustus Nicodemus rebate: ''A Igreja Católica Romana nunca foi a casa dos cristãos”

A Reforma Protestante, iniciada por Martinho Lutero e que mudou a história da civilização ocidental, completará 500 anos dia 31 de outubro. Quando afixou suas 95 teses na Catedral de Wittenberg, Alemanha, a intenção do frade agostiniano era modificar a Igreja Católica, fazer uma reforma, não causar uma divisão.

O papa não aceitou as cobranças e críticas, que mostravam à luz da Bíblia como a IgrejaCatólica havia se tornado algo muito diferente do que Jesus havia pretendido.

O movimento religioso que deu origem aos evangélicos também se tornou político, influenciando reis e nações inteiras. Acabou resultando na excomunhão de Lutero e dos seus seguidores e, mais tarde, foi o estopim para guerras sangrentas entre países europeus.

Cinco séculos depois, o papa Francisco e os líderes luteranos assinaram documentos de reaproximaçãopediram perdão mutuamente e o Vaticano vai inclusive “comemorar” o meio milênio da Reforma.

Mas esse clima de união não existe na maioria dos países. No Brasil, o centro católico Dom Bosco lançou uma campanha para tentar convencer os evangélicos a “voltarem para casa”, ou seja, a Igreja Católica.


Pela internet, eles estão divulgando um selo comemorativo, que vem acompanhado do texto: 

“Estamos nos aproximando de uma das fases mais tristes da história. Em 31/10/1517, Martinho Lutero iniciou uma revolta sem precedentes contra a Igreja fundada por Jesus Cristo ao criar a primeira seita protestante, o Luteranismo. De lá para cá, incontáveis denominações foram aparecendo no Ocidente, aprofundando-se ainda mais a divisão.

Nos próximos 70 dias faremos uma campanha para que os protestantes Voltem para Casa, cumprindo assim a vontade de Cristo quando nos convocou a sermos um com Ele (Jo 17,21)!”.

Também publicaram um vídeo onde comparam os protestantes/evangélicos com o filho pródigo da famosa parábola contada por Jesus em Lucas 15.

Assista:


A maioria dos evangélicos ignorou a campanha. Contudo, nesta quinta-feira (12), quando os católicos do Brasil celebram sua “padroeira”, o reverendo Augustus Nicodemus decidiu comentar o assunto.

Tido como um dos mais influentes teólogos reformados do país, Nicodemus foi incisivo ao comentar a campanha “Protestantes, Voltem para Casa”. Ele escreveu em seu perfil no Facebook:

“Já fizemos isso em 1517. A Igreja Católica Romana nunca foi a casa dos cristãos, mas uma prisão que acorrentou suas consciências à doutrinas e práticas inventadas por homens desprovidos da verdade bíblica”.

Milhares de evangélicos curtiram, comentaram e compartilharam a postagem, mostrando que o assunto ainda incomoda muita gente. 

Enquanto muitos concordavam com o reverendo, uma parcela dos evangélicos aproveitou para criticar algumas denominações evangélicas (incluindo os luteranos) por não terem mantido os princípios da Reforma, introduzindo em muitas igrejas práticas iguais àquelas que os católicos praticam, como a promessa de bênção em troca de dinheiro e o distanciamento do princípio bíblico de que somente é necessária para a salvação da alma.

Phonte: Gospel Prime
Por Redação RadioJovem












E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais. João 8:11
Jesus realmente quis dizer o que Ele disse? Por que ele diria isso se fosse impossível parar de pecar?
Muitas explicações diferentes são encontradas, seja por comentaristas, teólogos, em graus variados de discrepância. Alguns dizem que Jesus quis dizer isso da mesma maneira que um pai dirá a seus filhos para parar de morder as unhas – esperando que ele pare, mas, de maneira realista, sabendo que ele irá continuar.
Quase ninguém se atreveu a olhar para o verso desta maneira: e se Jesus quisesse dizer o que Ele disse?

O que significa “não pecar mais?”

E se “ir e não pecar mais” é realmente um comando para sair e parar de viver no pecado? Isso é impossível? O que Jesus quis dizer? Afinal, João escreve que somos mentirosos se dissermos que não temos pecado. (1 João 1:8).
Os versículos de Tiago dão uma boa descrição desse pecado que todos nós temos:
Cada um, porém, é tentado pela própria cobiça, sendo por esta arrastado e seduzido. Então a cobiça, tendo engravidado, dá à luz o pecado; e o pecado, após ter-se consumado, gera a morte. Tiago 1:14-15.
O pecado está dentro de todos nós. São nossos próprios desejos que nos atraem e tentam. Isso também é o que João está dizendo quando escreve que temos pecado. Mas ter pecado em nosso corpo não significa que devemos ceder a essas tentações.
É somente quando o desejo é concebido que cometemos pecado. Em outras palavras, é somente quando concordo com os pensamentos e tentações que surgiram que eu pequei.
Então, quando Jesus diz: “Vá e não peque mais”, Ele não espera que esta mulher deixe sua carne pecaminosa e nunca mais seja tentada novamente. Ele está dizendo a ela para dizer não ao pecado que habita nela e impedir o desejo de ser concebido; interrompa a tentação de se tornar pecado.
E este não é o mesmo comando que Ele nos dá ao resto de nós?

O Poder da Cruz

Jesus dizia a todos: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.
O que Ele quis dizer é que devemos negar esses pensamentos e desejos que tentam e nos atraem. Para que possamos pegar nossa cruz e matar esses pensamentos antes de se tornarem pecado. Desta forma, seguimos o exemplo de Jesus de ser tentado como somos, porém ainda sem pecado. (Hebreus 4:15).
Tomando nossa cruz – essa é a chave. Se fizermos isso – se nunca permitirmos que esses desejos se tornem pecado – então estamos seguindo Jesus, assim como Ele ordenou. Então estamos cumprindo o comando de “ir e não pecar mais”.
Pois se vocês viverem de acordo com a carne, morrerão; mas, se pelo Espírito fizerem morrer os atos do corpo, viverão, Romanos 8:13
Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria. Colossenses 3:5
Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos. Gálatas 5:24

Então é possível?

Quando você tenta viver essa vida de superação do pecado, você descobrirá rapidamente que é mais fácil dizer do que fazer. Apesar das nossas boas intenções, caímos e caímos e caímos novamente.
A chave é andar no Espírito. E andar no Espírito significa ser obediente ao Espírito. Se fizermos isso, então é escrito com bastante clareza o que acontecerá. Não cumpriremos a concupiscência da carne. E se não cumprimos a concupiscência da carne – a tentação de pecar – então não pecamos!
É fácil encontrar uma série de razões por que é impossível “ir e não pecar mais”. Você pode pensar que Jesus estava falando especificamente para a mulher em questão, e especificamente sobre adultério.
Você pode dizer que Ele disse isso apenas para ensinar aos fariseus uma lição e nem sequer significou o que Ele disse. Você pode dizer que Ele quis dizer isso como uma exortação para tentar o nosso mais difícil até que inevitavelmente caíssemos.
Mas o fato é que Jesus não disse nenhuma dessas coisas.
O que ele disse foi: “Vá e não peque mais”. E eu, por um lado, estou convencido de que Jesus quis dizer o que Ele disse. Imagine por um segundo que Jesus sabia exatamente como as coisas iriam acontecer.
Imagine que ele sabia que Suas palavras seriam registradas, compartilhadas e pregadas entre os cristãos por 2000 anos após o fato.
Imagine que ele escolheu dizer: “Vá e não peque mais”, porque Sua intenção era que devêssemos ir e não pecar mais.
Não uma vez. Não é uma única vez. E ele não quis dizer apenas para essa mulher, apenas nesta situação, mas todos nós.
Bíblia é a Palavra de Deus, escrita por homens temerosos de Deus inspirados por Deus. Não há nada lá que não deveria estar lá.
Fonte: ActiveChristianity.org
Por Redação RadioJovem


Devocional os quatro maiores poderes do universo meu amigo meu irmão gostaria de convidar você nesse instante para meditar comigo no texto da palavra de Deus o qual se encontra no evangelho de Mateus capítulo 28 e Versículo de número 18, texto da palavra de Deus disse Jesus todo poder me foi dado no céu e na terra, esses poderes não estão nas mãos de ser humano algum não pode ser manipulado por homem, nenhum inclusive ele é responsável pela maior transformação da raça humana, estamos falando do Poder da Cruz, do Poder da Ressurreição, do Poder do evangelho e do Poder da Fé.
1.    poder é o poder da Cruz, nada mais podem me libertar da condenação do pecado a não ser o poder da Cruz, conforme Romanos 6:06 diz o texto da palavra de Deus, sabendo que o nosso velho homem foi com ele crucificado para que o corpo do pecado seja desfeito todos nós éramos culpados até que alguém pagou o preço esse preço foi muito alto esse preço foi preço de sangue, do sangue de Jesus Cristo, derramado na cruz do Calvário, é por isso que o poder da cruz é um dos maiores poderes do universo a cruz é uma das maiores demonstrações do Poder de Deus, para a redenção do homem o maior de todos os milagres aconteceu sem dúvida na substituição, quando Jesus tomou o meu lugar tomou o seu lugar morrendo na cruz do Calvário,
 é por isso que Sem dúvida nenhuma a cruz é um dos maiores poderes do universo.
2.    o segundo maior poder do universo é o poder da Ressurreição, nada mais pode me dar esperança da vida eterna se não o poder da Ressurreição, a ressurreição de Jesus Cristo anulou o poder da Morte e diante dessa verdade existem três razões pelas quais Deus, ressuscitou seu filho a primeira razão foi para vencer a morte se a morte respeitou Jesus e Jesus venceu, a segunda razão foi para nos dar uma chance de sermos filhos conforme João 3:16
 a terceira razão era para nos dar o direito de morarmos o céu por que isso foi a prova essa dele, ele vê se não se turbe vosso coração crede em Deus crede também em mim na casa de meu pai há muitas moradas, se não fosse assim eu vo-lo teria dito Vou preparar lugar e voltarei para que onde eu estiver estejais vós também comigo, então o poder da Ressurreição também é um dos maiores poderes do universo.
3.    o terceiro maior poder do universo é o poder do evangelho nada mais me assegura que eu persevere até o fim, a não ser o poder do Evangelho, conforme está escrito em romanos 1 e 16 porque o Evangelho é o poder de Deus, para transformar são de todo aquele que nele crer, então quando Nós cremos no evangelho quando Nós aceitamos o evangelho Quando o evangelho entra dentro do nosso coração há uma transformação extraordinária é o poder do evangelho que nos transforma,

4.     e o quarto é o poder da fé nada mais pode vencer o mundo do que nossa fé, está escrito em primeira João Capítulo 5 Versículo 4 e 5 todo o que é nascido de Deus, vence o mundo a vitória que vence o mundo a nossa fé, fé ela não pode ser comprada ela não pode ser negociada vendida ou emprestada a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se , conforme Hebreus 11 :1 e o autor de Hebreus Capítulo 11 Versículo 6 vai dizer que sem fé é impossível agradar a Deus, portanto meu amado amigo está aqui os quatro maiores poderes do universo  A Cruz a ressurreição o evangelho e a fé que, Deus te abençoe, Abençoe você e toda sua família é o desejo mais profundo do meu coração dos Ferros em 5 de agosto de 2017 igreja avivamento bíblico - Pastor Jandilson de Melo
Por Redação RadioJovem
Em Hebreus 12:6 a Bíblia diz que o Senhor Deus corrige a quem ama, e açoita a qualquer que recebe como filho. Açoitar é chicotear.

À primeira vista não nos parece uma coisa lógica e aceitável o Senhor Deus açoitar quem recebe por filho... E este tipo de mensagem não faz parte da "lista de mensagens mais comuns" que se ouvem em nossas igrejas.

Já de muito tenho ministrado que há uma ignorância muito grande acerca de Deus entre os
amados freqüentadores de uma das igrejas de Cristo. A maior parte dos que freqüentam nossas igrejas não estará nela dentro de dois ou três anos. Talvez mais, talvez menos... muito menos...

Essa rotatividade tem muitos e variados motivos. Na presente gostaria de analisar e detalhar, dentro do espaço que me permite esta folha, apenas uma delas: o tratamento que Deus dispensa a todos quantos O procuram (a repreensão e os açoites).

Para um melhor entendimento do que preciso colocar, preciso lembrar que antes que existíssemos, a Bíblia diz que existiam Deus e seus anjos que O adoravam e O serviam. 

Uma parte desses anjos se levantou contra Deus. E eles foram expulsos dos Céus. Então nós fomos criados para ocupar o lugar dos anjos caídos, para glorificar o Senhor nosso Deus.

E Deus não vai permitir que haja uma outra rebelião nos céus. Uma outra terra, um outro céu. Aqueles que forem ocupar o lugar dos anjos que caíram, têm que ser absolutamente fieis e submissos a Deus.

Neste sentido, todos nós estamos sendo submetidos a um processo de metamorfose a fim de que sejamos transformados de vis, perversos e imundos pecadores em santos, puros, imaculados e irrepreensíveis filhos de Deus.

Esse é o motivo pelo qual milhares de pessoas abandonam nossas igrejas: não suportam o tratamento de Deus.

Todos nós fomos formados numa forma defeituosa chamada "pecado". E todos nós, candidatos a uma vaga de anjo, precisamos ser libertos da pecaminosidade que nos afasta de Deus.

Quem não tem arrancada de si a sua pecaminosidade continua orgulhoso, arrogante, prepotente, altivo, egoísta, egocêntrico, vaidoso, avarento, falso, cobiçoso, ganancioso, impuro, vingativo, e etc, etc, etc.

Deus quer que todos nós estejamos para sempre consigo em sua gloria, em sua companhia, em comunhão com seu Espírito. Por isso precisa nos santificar. Entende?

A cada dia que passa o Espírito de Deus precisa ir enchendo, dominando, crescendo, expandindo-se dentro de nós, de nossa alma, espírito, coração e corpo. Essa expansão do Espírito dentro de nós se traduz na mudança de nosso comportamento (Ef.4:22-32; Fil.4:8; Col. 3:1-9; I Tes.4:1-7).

Não basta ter aceitado a salvação. Não basta estar freqüentando uma igreja. Quem é dominado pela carne (natureza humana, decaída e pecaminosa) não está apto para assumir o lugar de um anjo (Apo.21:8 e 22:15; Gal.5:19-21; Ef.5:5).

Há quanto tempo você está na Igreja? O quanto de sua carnalidade Deus já arrancou de você? 50%? 25%? 10%? 5%? 1%? Nada?

O teu comportamento (externação de tua personalidade) é o mesmo do ano passado? De 2, 3 ou 5 anos atrás? Quais aspectos de tua personalidade sofreram alguma mudança dede que você está na igreja?

Você está disposto a permitir que Deus te santifique? Você vai permanecer na igreja mesmo em meio às lutas, adversidades, humilhações, divergências, injustiças, desprezo, difamação, opressão, incompreensão, solidão, abandono, perseguições e escândalos (II Cor.11:23 a 28)? A tua resposta vai determinar a tua permanência na igreja, e a obra de Deus em teu coração, em tua vida, vai garantir uma vaga na glória do Senhor, como anjo de Deus para toda a Eternidade.

Parte 2

Na primeira parte da presente, fizemos referência ao tratamento que Deus dispensa a quem ama e recolhe como filho.

O texto-base é Hebreus 12:6 - o Senhor Deus corrige a quem ama, e açoita a qualquer que recebe como filho.

E foi dito que não basta ter aceitado a salvação que há em Cristo. Não basta estar freqüentando uma igreja. Como também não basta cantar, pregar, dirigir cultos e louvores. Quem é dominado pela carne (natureza humana, decaída e pecaminosa) não está apto para assumir o lugar de um anjo (Apo.21:8 e 22:15; Gal.5:19-21; Ef.5:5).

Contudo, temos visto crescer o número de pregadores que transmite a idéia de que Deus age tal e qual uma avó arrependida que quer dar aos netos todo o carinho, toda a atenção, todo o cuidado que não deu aos filhos. Avós que estão dispostas a fazer qualquer coisa para que seus netos não chorem. Dispostas a serem chantageadas, dispostas a adular, bajular e subornar seus netos.

Deus quer ter seus filhos em sua companhia por toda a Eternidade. Quer gozar de nossa presença, de nossos louvores e de nossa adoração para sempre.

Para tanto, nós precisamos estar aptos, habilidades, preparados para recebermos os poderes, e a glória que é devida, que é inerente à sua condição. 

O Senhor nosso Deus não pode permitir que uma pessoa falsa, mentirosa, arrogante, prepotente, gananciosa, ambiciosa, ciumenta, e com tantos outros defeitos, ou "traços da carne", vamos assim dizer, seja transformada em anjo. 

Assim, toda a nossa carnalidade precisa ser retirada, num processo lento, gradual e doloso chamado "santificação", através do qual o Espírito de Deus vai tomando conta de nosso ser. Para que o Espírito de Deus nos domine, a nosso espírito carnal, pecaminoso, vendido sob a escravidão do pecado, precisa ser arrancado. Precisamos ser transformados num processo que pode ser chamado de "metamorfose". 

Entre outros, metamorfose é o processo pelo qual as lagartas (asquerosos, nojentos, alguns gordos e venenosos mandruvás e sassoranas) são transformadas em lindas, graciosas e aladas borboletas.

Daí porque eu preciso dizer uma coisa que não é do conhecimento da maioria das pessoas que freqüentam conosco uma das igrejas de Cristo: a maior preocupação de Deus não é com a nossa felicidade. Pelo menos não a felicidade como as pessoas imaginam. 

A felicidade não nos garante uma vaga na glória. A santificação, sim. Desta forma, a maior preocupação de Deus é com a nossa santificação.

Não é Deus, e nem é a igreja que precisa se adequar ao cristão. É o contrário: é o cristão que precisa se adequar à igreja, aos desejos, à intenção de Deus descritos na Bíblia.

E nesse processo de transformação, de santificação é que entra a passagem que ora estudamos: Deus repreende a todos quanto ama, para que não sejam condenados como o mundo (I Cor.11:32). Se necessário (e na maior parte das vezes é) açoita aqueles a quem quer bem...

A cada dia que passa precisamos ir nos adequando ao padrão de perfeição de Deus. Esse padrão é descrito nas bem-aventuranças de Mateus 5. Deus precisa que todos nós alcancemos a humildade de espírito, o choro, a mansidão, a sede e a fome de justiça, a misericórdia, a pureza de coração, e a qualidade de pacificador que faz parte da personalidade dos anjos que adoram a Deus.

Volto a repetir: Deus não tem outra oportunidade senão a nossa vida terrena para nos santificar, para nos transformar, para nos tornar prontos para assumir o lugar e a função de anjos. Mais do que anjos, pois julgaremos os anjos que caíram (I Cor.6:3).

Então volto a repetir: nestes anos todos que você está na igreja: quanto de tua carnalidade já foi tirada de tua alma, de teu espírito, de teu coração?

Parte 3

Na primeira parte da presente, fizemos referência ao tratamento que Deus dispensa a quem ama e recolhe como filho. Na segunda parte explanamos um pouco mais sobre o assunto, dizendo que a maior preocupação de Deus não com a nossa felicidade e sim com a nossa santificação.

Gostaria de concluir assunto (pelo menos por ora), falando sobre os tais açoites de que fala a Bíblia. Em que consistem os tais açoites? À primeira vista parece que Deus seria um ser perverso, cruel e impiedoso. 

Aliás essa é a idéia que muitos fazem de Deus, como se fosse como os deuses greco-romanos, que tinham prazer na dor e na aflição dos seres humanos, que descarregavam em forma de desastres e catástrofes a sua ira e sua frustração. 

Os povos antigos interpretavam as tempestades, as pestes, a seca e as enchentes como a ira dos deuses. Hoje, há muitos que pensam que Deus, estando irritado e decepcionado com os cristãos, ou com a humanidade, estaria a mandar as desgraças como forma de castigo (AIDS, guerras, flagelos, câncer).

Entre os cristãos diz-se que Deus "pesa a mão", numa referência ao Salmo 32.

Para não ser repetitivo, gostaria de recomendar que o(a) amado(a) leitor(a) lesse (ou relesse) a mensagem DEUS DESCONHECIDO, de janeiro/99.

No Antigo Testamento há várias referências ao castigo de Deus que eram anunciados pelos profetas. Tais "castigos", é preciso que se fique claro, não eram o desejo e a intenção de Deus, não eram a vontade direta do coração de Deus, mas uma necessidade, uma decisão judicial.

Há duas passagens que deixam isso bem claro, e é sobre as tais que se funda esta parte da mensagem. A primeira é em Jeremias 13:15-19 que diz:

"dai glória ao Senhor vosso Deus, antes que tropecem os vossos pés nos montes tenebrosos, antes que esperando a luz Ele a converta em trevas e amargamente chorarão os meus olhos porquanto o rebanho do Senhor foi levado cativo." Jeremias 13.15-19

A segunda é também em Jeremias 2:13 e 19, que dizem:

"o meu povo fez duas maldades: primeiro, a mim me deixaram o manancial de águas vivas, e, segundo, cavaram para si cisternas, cisternas rotas que não retém água. A tua malícia te castigará, as tuas apostasias te ........... Vê, pois, qual mau e quão amargo é deixares o Senhor teu Deus, e não teres contigo o meu temor." Jeremias 2.13 e 19

Deus não age tal e qual uma avó arrependida que faz tudo para que seu neto não chore. Mente, briga, tem chiliques, ataca, adula, suborna, e tudo o que seja necessário para livrar seu neto da dor e das lágrimas. Deus age de acordo com a sua Palavra. 

Há uma coisa que Deus não pode fazer, em toda a sua glória, em toda a sua Onipotência, em toda a sua majestade: Deus não pode mentir; Deus não pode pecar contra a sua Palavra. O que está escrito na Bíblia precisa acontecer, sob pena de ser atacado pelo Diabo.

O castigo de Deus a que se refere o versículo em questão consiste em Deus permitir que colhamos o fruto de nossos pecados, as conseqüências de nossos atos. Quando estamos debaixo da sombra do Onipotente descansamos. Quando saímos dessa sombra, não temos mais descanso (Salmo 91:1).

Temos a proteção de Deus quando e enquanto estamos em sua presença. Não temos essa proteção quando dela saímos. Se temos nossos pecados perdoados, nossa comunhão com Deus se restabelece. Se cometemos pecado nossa comunicação com Deus é cortada, bloqueada, interrompida (Isaías 59).

Não podemos desfrutar dos prazeres do pecado e da presença de Deus de forma concomitante. A imediata e irremediável conseqüência do pecado é a perda da comunhão, da comunicação, da manifestação da glória, do poder, da alegria, e do gozo do Espírito de Deus em nos. Esse é o castigo e o açoite de que falam a Bíblia.

Autor: Takayoshi Katagiri
Por Redação RadioJovem

Jesus continuou: "Um homem tinha dois filhos.
O mais novo disse ao seu pai: ‘Pai, quero a minha parte da herança’. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles.
"Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha, e foi para uma região distante; e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente.
Lucas 15:11-13


Uma das mais belas dentre as parábolas de Jesus, que conta a história de um rapaz que tinha uma condição de vida muito boa, era rico, tinha o amor do pai, uma bela fazenda, muitos empregados, mas que um belo dia resolveu pedir parte da sua herança para o seu pai.

Sendo o filho mais novo ele tinha direito a um terço do patrimônio da família, mas na cultura judaica essa herança só seria distribuída quando o pai morresse, portanto o que ele estava pedindo com aquela atitude era o mesmo que a morte do pai.

Ele recebeu a herança e ficou alguns dias na casa do pai, depois resolveu ir para uma cidade grande. Abastado com muito dinheiro começou a gastar tudo vivendo irresponsavelmente, por isto ele é chamado de filho pródigo (esbanjador, gastador), e começou a levar uma vida completamente diferente daquela que ele tinha com o pai, uma vida de pecado, cercado por muitas pessoas interessadas somente no seu dinheiro, bancando muitas festas.

Mas não precisamos ser muito inteligentes para saber que se temos uma certa quantia de dinheiro e começamos a gastar e esbanjar, sem repor aquela quantia uma hora o dinheiro vai acabar, e foi exatamente isto o que aconteceu com este jovem.

Quando o dinheiro acabou ele se viu sozinho, os amigos foram embora, houve uma crise naquela cidade e a fome era extrema. Abandonado e sozinho no mundo foi pedir emprego cuidando de porcos, e imagine comigo um judeu trabalhando com porcos, este jovem chegou ao fundo do poço ao ponto de querer se alimentar com a comida deste animal, e só não fazia isto porque não deixavam, que situação lamentável, triste e desesperadora.

Mas diz a Palavra que ele caindo em si disse:

‘Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome!
Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti.
Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados’.
Lucas 15:17-19


Criou forças, tomou coragem e resolveu voltar para casa do pai...

Esta parábola nos ensina muitas lições valiosas. Muitos hoje tem a mesma atitude do filho mais novo porque resolveram deixar a casa do Pai, a figura do Pai representa o nosso Deus que é o nosso Pai amoroso e que tem cuidado de nós, mas mesmo com todo este amor muitos tem sido seduzidos pelo mundo e tem deixado a casa do Pai...

E o que leva um filho crente a deixar a casa do Pai?

Uma das razões é a ingratidão, tem tudo o que precisa, mas acredita que lá fora será melhor, se acha autossuficiente, mas a verdade é!!! Não está preparado para as crises que existe no mundo.

Outra razão é a falsa liberdade, tem filho que acha que dentro da casa do Pai está preso, não tem liberdade, e resolvem sair para encontra-la, mas quero dizer algo!!! Você só esta livre quando esta junto do Pai, Ele te guarda e te protege, lá fora é só ilusão. Cedo ou tarde a verdade vem a tona, e é frustante reconhecer que esta errado!!!

Há muito interesse lá fora (mundo), muitos só estarão com você enquanto puder oferecer algo, mas na hora em que a crise chegar você será abandonado, o único amigo verdadeiro que nunca te abandona é Jesus Cristo o Filho de Deus.

Uma vez do lado de fora, longe do aconchego do Pai o resultado é ladeira abaixo, o filho se afasta e só se afunda cada vez mais. É muito triste ver uma pessoa que era tão abençoada, tinha a alegria estampada no rosto, a Luz de Cristo, a Unção do Espírito Santo e que agora longe do Pai Celestial é a figura da derrota...

Mas há esperança se for este o teu caso, o Pai esta de braços abertos esperando por você, volta para casa, o Pai te ama!!!

Filho procure entender os seus pais biológicos eles te amam e não querem te ver sofrendo, não pense que você já sabe de tudo e que já é responsável o bastante para viver longe da sua família, não maltrate os seus pais, você pode se arrepender amargamente por isto, cuidado com as palavras, elas tem uma força tremenda, tanto para o bem quanto para o mal.

Independente de como seja a sua família, boa ou má, elá será sempre sua, amigos vem e vão embora. Mas com quem você tem um laço sanguíneo não é desta maneira, sempre estará e fará parte da sua vida, então procure viver bem com sua família, ame ela, respeite-a, e se tiver alguma dificuldade para isto, peça a ajuda para Deus.

O pai nesta parábola também nos dá ensinamentos importantes, porque ele poderia ter dito para o seu filho...
“Eu vou te dar este dinheiro, mas nunca mais quero te ver novamente, fique longe da minha vida eu te rejeito como filho”!!!
Mas não foi isto o que aconteceu, este pai deixou as portas abertas.

Senhores pais nunca feche a porta para os seus filhos, por mais difícil que esteja a situação eles precisam de você, do seu amor.

Na hora que o filho pródigo precisou ele soube para onde correr, e voltou arrependido e ao chegar em casa...

A seguir, levantou-se e foi para seu pai. "Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou.
Lucas 15:20 

Lendo esta passagem vemos que o pai o avistou ainda longe sabe porque?

Porque ele já estava esperando-o, e correu até ele e o beijou... 
Nada de palavras negativas como seu ingrato, filho ruim... 
Na verdade ele o abraçou e o beijou, o filho estava sujo, vestes velhas, descalço e ainda por cima fedendo a porco... 
Mas para o pai isto não tinha importância!!! 

O Seu filho querido voltou para casa.

Mas o pai já estava esperando-o e já tinha tudo pronto, o filho pródigo tinha preparado um discurso para o pai, um pedido de perdão, ficou pensando nisto aquela viagem inteira, mas quando começou a falar... 
O pai o interrompeu não deixou o filho terminar de falar, e já foi preparando a festa... 
Glória a Deus!!!

Mas o pai disse aos seus servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés.
Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e comemorar.
Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado’. E começaram a festejar.
Lucas 15:22-24

O filho queria ser tratado como um empregado, mas nem em seus melhores sonhos ele poderia imaginar o que o pai estava prestes a fazer...

O pai pediu para o empregado trazer a melhor roupa, tiraram aquelas vestes imundas, e colocaram nele a MELHOR ROUPA, sua história estava mudando, o passado estava ficando para trás, o tempo de miséria passou, agora ele estava recebendo uma nova oportunidade.

Colocaram também um anel no seu dedo, que representa AUTORIDADE de filho, alguns dias atrás ele estava na miséria, agora ele estava recebendo de volta tudo o que tinha perdido, uma nova oportunidade, agora eu te pergunto, ele merecia? 

Claro que não...

Te faço uma outra pergunta, você consegue explicar o amor de Deus? 

Não!!!

Mas te faço um convite...
Viva este amor, não desperdice a oportunidade que Deus esta te dando.

Colocaram também CALÇADOS NOVOS em seus pés... 
Você sabia que naquela época geralmente os empregados andavam descalços?

Mas um filho de um pai rico andava calçado, e isto o diferenciava dos demais... 
Um empregado comum reconhecia o filho de longe, sabe como? 

Roupas novas, anel no dedo e calçados nos pés, que amor é este? Este é o amor do Pai, nosso Deus é Maravilhoso!!!

Trouxeram o novilho gordo e fizeram uma festa para comemorar... 
Preste atenção porque o pai não diz, um novilho... 
Ele também não diz! Qualquer novilho... 
Mas diz "o novilho gordo"!!! E este novilho só era usado em uma ocasião muito, mas muito importante, muito especial...
Ou seja, o pai já estava preparando o novilho havia muitos dias, alias já estava tudo preparado porque o pai tinha certeza que o seu filho mais novo voltaria para casa.

Não sei por onde você tem andado, mas se for o seu caso saiba!!! 
O Pai esta te esperando de braços abertos, Ele quer mudar a tua vida a tua história, por mais que você tenha andando por caminhos tortuosos, e você tem chorado, se sente abandonado e sozinho(a), mas há uma esperança, volta para casa do Pai, Ele te ama, e não esqueceu de você nem por um segundo sequer, a festa já está preparada nos céus e na terra é só você voltar para casa (Lucas 15:7).

Para terminar esta mensagem precisamos falar um pouco do irmão mais velho...

Enquanto isso, o filho mais velho estava no campo. Quando se aproximou da casa, ouviu a música e a dança.
Então chamou um dos servos e perguntou-lhe o que estava acontecendo.
Este lhe respondeu: ‘Seu irmão voltou, e seu pai matou o novilho gordo, porque o recebeu de volta são e salvo’.
O filho mais velho encheu-se de ira, e não quis entrar. Então seu pai saiu e insistiu com ele.
Lucas 15:25-28

O filho mais velho quando soube que seu irmão voltou e que havia alegria com a sua volta ficou irado, não aceitou aquela situação, o pai saiu e tentou conciliá-lo.

Queridos leitores geralmente lemos muitas criticas em relação a atitude do irmão mais velho, que ele foi um egoísta, faltou amor e compreensão... 
Mas pense comigo... 
O que aconteceria se eu e você estivéssemos no lugar do irmão mais velho. 

Imagine que você é um milionário e seu irmão mais novo esbanja 33% da riqueza da família, fazendo um monte de coisas erradas, e quando o dinheiro acaba resolve voltar, arrependido...
E quando volta para casa o seu pai o coloca novamente em destaque, será que a nossa atitude seria diferente?

Mas o grande ensinamento nesta história é o amor do pai...

O filho mais novo não pediu aquela festa, ele não pediu aquela restituição, ele queria ser tratado como um dos empregados, no mundo ele foi tratado como um escravo e considerava os trabalhadores de seu pai num patamar muito mais elevado, e queria ser tratado como um deles. Ele não se considerava digno de ser chamado de filho novamente, mas o pai o amava e ponto final.

Deus nos ama da mesma forma, nos trata da mesma forma, nos acolhe da mesma forma, como explicar? 
Muito difícil, é um amor tão grande que me constrange, muitas vezes eu me pergunto porque Deus me ama, o que eu tenho feito para receber este amor, para retribui-lo!!! 
Mas sei que a única coisa que posso fazer é adorá-lo, e agradecer todos os dias por este amor...

Podemos viver este amor através da pessoa Bendita do Nosso Senhor Jesus Cristo

O interessante nesta parábola é que ela termina sem contar se o filho mais velho entrou na casa ou continuou do lado de fora...

Mas o pai diz algo interessante:

Disse o pai: ‘Meu filho, você está sempre comigo, e tudo o que tenho é seu.
Mas nós tínhamos que comemorar e alegrar-nos, porque este seu irmão estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi achado’ ".
Lucas 15:31-32

Tudo o que o pai tinha era do filho mais velho, a herança já era toda dele, e ele poderia sim, fazer uma festa, se quisesse se alegrar com seus amigos, desde que fosse dentro da casa do pai, mas ele tinha uma escolha a fazer!!! 

Ficar do lado de fora emburrado...

Ou entrar e se alegrar com seu irmão que estava morto e voltou a vida.

Conosco é da mesma maneira, tudo o que Jesus Cristo conquistou na Cruz do Calvário foi para que tivéssemos vida, podemos viver o melhor de Deus nesta terra porque somos filhos...

Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus,
os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus.
João 1:12-13

Não fique do lado de fora, entre na presença de Deus e seja alegre, tenha o amor do Pai no seu coração, podemos e devemos nos alegrar com os nossos irmãos, sem birra, sem contenta, sem ciúmes, mas com perdão e com amor, juntos na casa Pai.

Deus te ama muito, e quer transformar a sua vida, mudar a sua história, mas para isto tome uma atitude... 
CORRA PARA OS BRAÇOS DO PAI.

Jesus Cristo te ama


Claudinei Saldanha
Por Redação RadioJovem


Nós, os servos de Deus, fomos alcançados pela Sua misericórdia e libertos da escravidão do pecado.

“Mas damos graças a Deus porque vocês, que antes eram escravos do pecado, agora já obedecem de todo o coração às verdades que estão nos ensinamentos que receberam.” 
Rm 6:17

Vivemos nesta terra como retirantes estrangeiros, aguardando o momento de partimos em definitivo para a pátria celestial e estarmos eternamente com o Rei dos reis. Nesta jornada em direção aos céus é de suma importância manter-nos isentos das práticas e costumes comunsao homem natural e firme na obediência à vontade de Deus; superando as muitas lutas, tentações e provações.

O Senhor afirma: “... o mundo inteiro está debaixo do poder do diabo.”(1Jo 5.19) 

O diabo é o imperador deste mundo e dita as regras, os resultados comprova-se na falta de amor e nas barbaridades que os homens cometem entre si; nas loucuras praticadas contra Senhor; e na igreja que aos poucos vai assimilando e cristianizando práticas pagãs, é o inimigo minando as forças, afastando o homem do Senhor.

A Páscoa é uma comemoração muito importante na vida do crente, ela é sinônima de libertação (Ex 12:17, 42; Dt 16.3) entende-se também como início de novos rumos, da nova caminhada em direção a uma vida santa e segundo o coração de Deus. 

Sua instituição foi ordenada por Deus (Ex 12.1,2 e Jo 2.23), a observação pelos filhos de Deus deve ser contínua (Ex 12.28,50), a exemplo do Senhor Jesus, que junto a seus discípulos a comeu (Mt 26,17-20).

Usurpar-se da glória de Deus é a luta constante do diabo e, para tal, usa dos mais diversos meios. Em relação ao mover libertador de Deus (páscoa), o inimigo apresentou à igreja uma série de costumes e práticas pagãs, que imediatamente foram cristianizadas e incorporadas. 

Para comemorar a Páscoa, Coelhos e ovos de chocolate! Muitos desconhecem ou desconsideram a simbologia que os sustentam; são várias lendas, todas apontam para o fato de serem instituídos para louvor de determinada divindade; isto é o suficiente para que sejam eliminadas do arraial dos santos. 

O diabo chegou ao extremo de colocar um coelho (animal listado entre os impuros, lado a lado com os porcos e outros. Ver: Lv 11.6 e Dt 14.7,8), como representação do Senhor Jesus (o cordeiro). E todos concordam! É lamentável ver esta tradição extremamente viva no meio de muitas denominações.

Igreja do Senhor Jesus Cristo é tempo de acordar para a voz do Espírito Santo e permitir a sua ação, limpando o acampamento, destruindo os “deuses do lar” (Is 31.7) e objetos amaldiçoados; para que haja paz no meio do arraial. Fechar as porta para o diabo e suas estratégia é uma ordem do Senhor Deus.

Como comemorar a Páscoa do Senhor?

“Este dia vos será por memorial, e o celebrareis como solenidade ao SENHOR; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo.” Ex 12.14

A igreja na qual sirvo o Senhor, foi instruída por Ele a comer à páscoa nos termos descritos por Moisés em Êxodo 12. Amado, você que é um líder do Senhor nesta terra é tempo de tirar os fardos da sabedoria de sobre os ombros e colocar-se em exclusiva sintonia com o Espírito de Deus, ouvindo a Sua vontade, materializando-a. Prepare o cordeiro, assado com ervas amargas e reunidos na presença do Senhor, coma para a honra e glória de nosso Deus.

“O cordeiro será sem defeito, macho de um ano; podereis tomar um cordeiro ou um cabrito... naquela noite, comerão a carne assada no fogo; com pães asmos e ervas amargas a comerão... Por sete dias, não se ache nenhum fermento nas vossas casas... Nenhuma coisa levedada comereis; em todas as vossas habitações, comereis pães asmos.” Ex 12.5,8,19 e 20

E assim é feito em nosso meio. Um cordeiro é preparado, assado no fogo e comido com pães asmos e ervas. Oh graças! É a exteriorização de nossa alegria, de nosso amor pelo Senhor Jesus Cristo. Que nos amou primeiro e deu-Se em sacrifício por nós.

Alguns aspectos que devem ser observados na celebração desta páscoa:

Purificação:

“Porque havia muitos na congregação que não se tinham santificado; pelo que os levitas estavam encarregados de imolar os cordeiros da Páscoa por todo aquele que não estava limpo, para o santificarem ao SENHOR.” 2Cr 30.17

(veja também: Jo 11.55):

A santificação e purificação da vida é uma ordem, que deve ser observada por todos. Seja sacerdotes (pastores e autoridades da igreja) ou a congregação. Era preciso estar limpo para participar da celebração e comer do cordeiro pascal. O Impuro jamais participava da mesa. A preparação requerida era muito séria, incluía: orações, jejuns e outras formas de purificação. 

Santificação é uma palavra quase em desuso no meio cristão. Notadamente, a igreja tem andado de mãos dadas com o mundo, afinal tudo é natural e normal, costumes e práticas são adaptadas e inserida. Infelizmente, a Palavra de Deus é encaixada nas muitas doutrinas, moldada segundo o interesse de casa denominação. Quando, a ordem correta, seria, encaixar-se na Palavra santa.

“Portanto, santificai-vos e sede santos, pois eu sou o SENHOR, vosso Deus.” Lv 20:7

“Porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.” 1Pd 1:16

Excluíam o fermento:

“...não comerás levedado; sete dias, nela, comerás pães asmos... Fermento não se achará contigo por sete dias, em todo o teu território...” Dt 16.3,4

(veja também: Ex 12.19,20)

Nesta fase preparatória, de purificação, o fermento era totalmente excluído da alimentação, devido a sua significação (pecado). É perfeitamente válida esta palavra e na semana que antecede a esta tão importante celebração, todos os produtos que levam fermento em sua composição são excluídos da dieta diária. 

É provável que você questione tal posicionamento, talvez até evocando o fato de não mais estarmos sujeitos à lei. Não o julgo, de forma alguma. Eu aprendi do Senhor que a fé é primordial. Se você crer que Deus fala em tua igreja, não há porque questionar a vontade dEle. E assim tenho agido e nestas coisas, tenho visto o poder do Eterno.

Ofertar:

“Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando entrardes na terra, que vos dou, e segardes a sua messe, então, trareis um molho das primícias da vossa messe ao sacerdote.” Lv 23.10,14

Quando os israelitas iam comer a páscoa, era costume trazer uma oferta ao Senhor, naquela época geralmente produtos da terra. Trazer oferta voluntária ao Senhor ainda precisa ser praticado. Mas, além da oferta material, seja você uma oferta viva ao Senhor, entregando-se como instrumento, santo, puro e cheio do Espírito Santo nas mãos do Senhor, para que Ele o use segundo o seu querer.

O diabo ao longo dos séculos vem travando uma luta extremamente violenta contra o reino dos céus, faz uso de todas as suas armas para implantar o seu reino, e tem conseguido êxito. Em algumas oportunidades a sua forma de agir é explícita, todos olham e vêem; outras, as estratégias estão camufladas, e apenas os que “têm olhos” (espirituais) podem ver a ação devastadora do maligno. 

Em relação à páscoa a estratégia é camuflar o mal, desvirtuar o objetivo principal tomando para si a glória do Senhor Deus. Para alcançar este fim usa de meios “inofensivos” e com grande apelo visual e emocional (ovos e coelhos). 

Somente aqueles que tem os “olhos abertos” conseguem ficar isentos, não se deixam envolver pela artimanha maligna.

Feliz Páscoa do Senhor Jesus!

Autor: Elias R. de Oliveira 

Por Redação RadioJovem

galery